Pessoas que buscavam uma Luz em Iêmen

O Iêmen era uma cidade onde Aqq, um dos dois filhos de Adnan, o ancestral do Profeta Muhammad ﷺ, se estabelecera através de parentesco. Lá havia um rei chamado Rabia Ibn Nasr que governava nestas terras num período pacífico, livre de disputas. Uma noite, ele teve um sonho que jamais esqueceria e ficou profundamente comovido. Não faltou nenhum adivinho ou mágico que ele não tivesse procurado. Ele tinha reunido todos os sábios de seu país, mas não tinha ficado satisfeito com interpretações. Porém ele não conseguia se aliviar antes que seu sonho tivesse interpretado. Não confiava mais naqueles que lhe pediam para contar seu sonho. Pois ele havia chegado à seguinte conclusão: “O verdadeiro interpretador deveria saber do meu sonho se realmente sabe a interpretação do mesmo.”


Finalmente, um sábio deu um conselho para resolver esta questão do rei. De acordo com esse conselho, se o Rei realmente quisesse a interpretação de seu sonho, deveria ter procurado a dois adivinhos chamados Satih e Shiqq. Porque esses dois adivinhos atraiam a atenção das pessoas tanto pelas suas aparências físicas quanto pelas notícias que transmitiam. Eles haviam se tornado uma autoridade onde viviam. Ambos nasceram no dia da morte do famoso adivinho Tarîfe. E assim parecia que eles herdaram todo talento do Târîfe como legatários.


As estruturas corporais desses dois adivinhos também eram estranhas. O corpo de Satih estava quase inteiro. Seu rosto estava colado ao peito. Podia-se dizer que ele tinha um corpo desossado. É daí que ele tirou seu nome. Quando ele ficava zangado, ficava paralisado de raiva e nem conseguia se mover. Quanto a Shiqq, havia algo estranho em seu corpo também e assim ele parecia meio-humano.


Sabendo que a interpretação de seu sonho poderia ser feita por esses dois adivinhos, o rei mandou recado a ambos. Satih veio antes do Shiqq. Primeiramente o Rei explicou seu propósito. Posteriormente, ele disse o seguinte para medir a habilidade de seu interlocutor:

- Se você adivinhar meu sonho, é claro que você quem saberá sua interpretação.

Satih parecia muito confiante e disse:

“Eu farei a interpretação” com a voz confiante.

Satih começou a contar o sonho que o rei teve:.


- Em seu sonho, você viu um objeto preto saindo do escuro como breu. Então este objeto foi em direção ao lugar chamado Tehme. Então, todas as criaturas que possuem uma caveira começaram a comer dela.

O Rei ficou surpreso. Sim ... Sim, o que ele sonhou foi exatamente como Satih havia descrevido. Ele não conseguiu esconder sua admiração:

- Sim ... Sim, ó Satih! Meu sonho foi exatamente como você descreveu. Bem, qual você acha que é a interpretação disso?

- Ó rei, Juro por todos os valores em que acredito, os Abissínios invadirão suas terras e dominarão a região entre Abyan e Jerash!


- Ó Satih! Isso significa um desastre para nós, Diga-me; será no meu reino ou depois de mim?

- Juro pelo seu pai, vai demorar um pouco, sessenta ou setenta anos depois de você.

- O reinado deles vai continuar ou vai acabar?


- Isso vai acabar em setenta anos. Eles serão atacados e alguns serão mortos, enquanto outros fugirão e partirão.

- Já que eles vão sair daqui, quem virá atrás deles?

- Os Zî Yezens .. Eles virão do lado de Adn e não deixarão ninguém no Iêmen.

- Bem, o reinado deles vai continuar, ou eles também vão decair?

- Eles também vão decair.

- Bem, quem vai acabar com eles?

- Nabiyy-i Zeki. (O Mensageiro Inteligente) A revelação virá a ele do alto.


- Você pode me dizer, de qual linhagem será esse Mensageiro?

- Dos filhos de Galib Ibn Fihr Ibn Malik. E a realeza permanecerá com seu povo até o Dia do Juízo.

"Essa vida realmente vai acabar?"

- Sim, nesse dia serão reunidos os primeiros e os posteriores. Enquanto aqueles que vivem com prudência e felicidade sobem às alturas, serão pisoteados e humilhados aqueles que cometem banditismo

"O que você me disse é realmente verdade?"

- Sim. Juro pela luz da alvorada, pela escuridão da noite e pela clareza da luz da manhã, o que eu disse é absolutamente verdade e se tornará realidade.


Após essas conversas com Satih, Shiqq veio à presença do rei logo depois. Desta vez, o Rei se virou para Shiqq e quis ouvir ele sem mencionar o que Satîh já disse. Seu objetivo era testar se eles poderiam fazer a mesma interpretação ou não.


O Shiqq também não era uma pessoa sem conhecimento:


- Sim, disse ele, e contou o sonho que Rei vira:


- Você sonhou que um objeto preto saiu de uma escuridão intensa. Então este objeto foi em direção a um lugar montanhoso e ajardinado. Depois, todas as criaturas vivas começaram a comer dela.


Não havia mais dúvida na cabeça do rei; Ambos adivinhos estavam falando sobre as mesmas coisas. Só que, enquanto Satih deu o nome do lugar claramente, Shiqq apenas deu a descrição do lugar. Enquanto Satih disse ‘todas as criaturas que possuem uma caveira’, Shiqq disse brevemente 'todas as coisas vivas'.


- Está certo o que você disse, e não cometeu nenhum erro, O Shiqq, por você qual seria a interpretação?


- Juro por cada pessoa entre essas duas cidades quentes que os sudaneses virão para sua terra e invadirão tudo. No final, eles vão dominar tudo entre Alyan e Najran.


- Ó Shiqq , juro por seu pai, isso significa um desastre para nós. Quando isso vai acontecer? No meu governo ou depois de mim?


- Não, vai demorar um pouco e será depois de você. Depois, uma grande pessoa irá salvar vocês deles, fazendo eles sofrerem! ..


- Está bem mas, quem é essa pessoa importante?

- Um jovem que surgirá das casas Zî Yezen.

- Seu reinado vai continuar ou vai acabar também?

Seu reinado também terminará. Pela mão de um Mensageiro, que foi enviado com religião e virtude, representando a justiça e o direito. E depois disso, até o dia de fassil, a realeza pertencerá a seu povo.

- O que significa Dia de Fassil?

- No dia em que as contas de cada nascido fechado, tudo mundo ouvirá as vozes do céu, sejam vivos ou mortos, e todos se reúnem para uma estação, naquele dia haverá salvação e bondade para os piedosos.

- O que você está dizendo é realmente verdade?


- Pelo Senhor dos céus e da terra, e pelo todas as coisas neles, tudo o que eu disse a você é a verdade, e todos eles certamente acontecerão.


Ouvindo as mesmas coisas de ambos, preocupado com seu futuro o rei enviou seus filhos para uma área segura perto da Pérsia. Assim pensava que ele os protegeria desta forma. No entanto, todas essas medidas não foram capazes de impedir que o destino execute seu decreto. As terras do Iêmen iriam testemunhar o que o rei ouviu de dois adivinhos se tornarem realidade, um por um, quando chegar a hora. (1)


Avanço de Abu Karb à Medina

Enquanto isso, o governo de Rabia chegou ao fim e outro rei, chamado Abu Karb, assumiu o trono. Possuía um caráter ambicioso e por se ver forte, iniciou conquistas expandindo seu território para os países vizinhos. Durante essas conquistas, ele também se dirigiu para Medina; no entanto, influenciado pelas histórias de dois sábios judeus que conheceu dos clãs Qurayza, ele desistiu de invadir a Medina. Porque quando ele quis destruir a cidade, esses dois sábios judeus se colocaram diante do rei e disseram:


- Ó rei! Não faça isso não destrua a cidade!. Se você achar que, 'Eu posso fazer o que eu quero', saiba que surgem obstáculos no caminho e você nunca será capaz de alcançar seu objetivo.


- Mas por quê?


- Porque este é o lugar para onde o Mensageiro de Deus, que surgirá entre Coraix no Harém (Meca), irá migrar no Fim dos Tempos. Esta cidade será a sua casa e o lugar que Ele permanecerá. (2)


Parecia que as frases que ele ouviu foram mais fortes do que seu poder e meios que ele possuía. Pois o rei desistiu de lutar contra Medina e retornou ao Iêmen. Dessa vez levando consigo esses dois sábios judeus. Ele admirava o conhecimento deles até tal ponto que já tinha aceitado a religião deles.


O rei, que renasceu com a energia que recebeu de dois corações sinceros, agora conquistava seu mundo interior e está vivenciando a emoção desses dois jovens no seu mundo espiritual. Por esta razão, assim que retornarem ao Iêmen, ele desejou compartilhar seu entusiasmo com seu próprio povo, mas o povo de Himyer não aceitou este convite em primeiro lugar e solicitou evidências sobre a crença que eles foram convidados a aceitar


Eles tinham um fogo que acreditavam sua santidade. Convidaram o Rei fazer um teste com esse fogo para certificar as palavras dele. O rei não se preocupava, aceitou a proposta. De acordo com a crença, se algo era verdadeiro ou não, só poderia ser entendido após as partes serem apresentados a este fogo. A parte que fogo queimava era julgado como perdedor.


Durante esta prova, os dois judeus também estavam presentes. Eles penduraram seus livros sagrados em volta dos seus pescoços; recitavam os versos da Torá e assim estavam esperando vez deles, em submissão ao Senhor. Enquanto isso, todos os ídolos dos idólatras que estavam presentes foram queimados até as cinzas, mas nenhum sinal de queima foi visto nos dois rapazes. À medida que se aproximavam do fogo, o fogo ficava menor até o ponto de se apagar. Vendo isso, uma grande parte do povo de Himyer preferiu entrar na religião desses dois jovens e, assim, o judaísmo entrou no Iêmen pela primeira vez. (3)


Mais tarde, com a orientação desses dois sábios, Abu Karb realizou algumas atividades em nome da reconstrução da Caaba. Ele foi instruído a cobrir a Caaba com uma capa grossa em seu sonho. Ele mandou fazer a capa e foi a primeira pessoa que cobriu a Caaba. Depois disso, ele teve dois sonhos semelhantes. Foi lhe dito para cobrir a Caaba com um tecido da melhor qualidade. Ele cobriu a Caaba com os tecidos da melhor qualidade de sua época e a deixou esta tradição no seu testamento para seus sucessores.


Abu Karb ficou tão envolvido com as histórias desses dois jovens que estavam sendo considerados como seus principais guias. Ele quase se apaixonou pelo Último Mensageiro de qual os dois jovens falavam. Chamava o nome dele quase o tempo todo. Em um de seus poemas ele diria:


- Eu conheço uma pessoa chamada Ahmad que


Ele é um Mensageiro enviado por Allah e o mais honrado da criação.


Se minha vida alcançar a dele, serei o vizir mais leal e filho do tio dele.


Hoje eu declarei guerra aos Seus inimigos com minha espada,


Desta forma, terei eliminado, com antecedência, os problemas que podem incomodar o coração dele.4


O Rei Abu Karb está na Cidade de Medina

Com sua fé profunda, Abu Karb decidiu sacrificar seu trono a este vizirado. Como Ali (que Deus esteja satisfeito com ele), filho do tio do Profeta, ele deixou seu país e migrou para Medina para esperar o dia em que O Último Mensageiro emigrará. Quão forte a sabedoria que ele conheceu! Faz com que ele ir sozinho para Medina. A cidade onde queria entrar anos atrás com o objetivo de destruí-la com exércitos armados. Agora ele estava indo lá deixando sua coroa e reino no Iêmen, com a intenção de construir a casa do próximo Profeta. Agora ele era apenas uma pessoa comum.


Então ele veio a Medina e comprou um terreno. Em pouco tempo, ele começou a adquirir materiais e a construir uma casa neste terreno.


Medina era uma cidade pequena e tudo mundo se conhecia. Não demorou muito para descobrir quem era o estranho. Este homem, que veio do Iêmen, tinha deixado um trono e o reinado, que todos colocariam a vida para possui eles.


Olhos curiosos aguardavam uma explicação sobre essa pessoa que acabara de se juntar a eles. Por que ele recusou toda a pompa, o sultanato e os milhares de pessoas sob seu comando e veio para Madina? E por que ele estava comprando um terreno e construindo uma casa aqui?


É claro que, algo tinha que ser dito aos olhos curiosos que se reuniram ao seu redor. Era como se Abu Karb tivesse a postura de um homem forçado a dizer algo que não queria dizer. Seu corpo dizia "Me deixe em paz." Porém, a verdade que ele conhecia também era necessária para os outros, e não adiantava escondê-la. Além disso, talvez o povo de Medina, como o povo do Iêmen, passasse a acreditar.


Evidentemente, seu coração também batia de ansiedade, e as seguintes palavras começaram a sair de seus lábios trêmulos:


- Eu vi nos livros antigos que um Profeta aparecerá entre as montanhas de Faran muito em breve, e o povo da Meca não abrirá suas portas para Ele, também o tratarão mal, com severidade. Este Profeta terá que deixar sua cidade. Depois disso, ele migrará aqui para Medina.


Aqui, estou construindo a casa dele desde agora para que quando aquele Mensageiro migrar para cá, possa ficar nela.


Pouquíssimas pessoas sabiam o que essas palavras significavam ... Porém, também havia pessoas quem soubessem que o que se dizia não eram palavras vazias mesmo não entendo, e quem não entendia se dispersava, fingindo entender.


A construção foi concluída e a casa ficou pronta a habitar.

O desejo era inocente ... Foi feito com um coração sincero ... Mas o ‘tempo’ ainda não havia chegado. Sim, ele viria; mas ainda precisava passar certo tempo.


Dias se passaram, mas o Último Sultão, que o rei esperava, ainda não estava à vista.


Então, o destino também tomaria sua decisão por ele e o rei diria adeus ao mundo e seguiria em sua jornada eterna.


A casa do rei herdada de seus filhos ... Eles, infelizmente, a venderam para outras pessoas.


Sinais Subsequentes

A evidência desse desenvolvimento positivo no Iêmen se faria sentir nos anos seguintes também, e os escritos e outros documentos desenterrados nas escavações forneceriam informações claras sobre as crenças do povo daquele dia para os próximos. Aqui estão dois exemplos:


Anos depois, em uma tumba desenterrada em Sana'a, capital do Iêmen, foram encontrados os corpos de dois irmãos e uma placa de prata ao lado desses corpos. Mais importante, esta placa de prata tinha a seguinte inscrição em letras douradas:


- Esta é a tumba dos filhos de Tubba, Lemis e Wahhabi. Esses dois irmãos, como os justos antes deles, morreram acreditando em 'La ilaha illallahu vahdehu la sharika ler' (Não há divindade além de Allah, o Único, não tendo parceiro com Ele). (5)


Durante o califado de Umar (que Deus esteja satisfeito com ele), um homem de Najran estava cavando no seu jardim. Ele havia avançado um pouco quando encontrou uma surpresa inesperada; Diante dele estava um corpo que havia morrido anos atrás. Ele tinha colocado a mão no ferimento na sua cabeça, e assim permanecia. Quando o homem tentou pegá-lo pela mão, o sangue começou a jorrar de sua cabeça. Foi surpreendente; O sangue sairia de um corpo que morreu anos atrás! Colocou a mão de volta na sua posição. Ele olhou um pouco mais atentamente. O homem tinha um anel no dedo. A escrita nele chamou sua atenção; Ele se abaixou e tentou ler o texto. No anel estava escrito “Meu Senhor é Allah” (6)


Escritor: Dr. Reşit Haylamaz




(1) Muitos anos se passaram depois deste incidente. De fato, como Satih e Shiqq disseram, um rei chamado Sayf İbn Zî Yezen emergiu e dominou todo o Iêmen cooperando com os bizantinos e persas. Após esta dominação, houve a caravana Coraix entre aqueles que vieram das tribos vizinhas para parabenizá-lo. Nesse grupo, uma pessoa chamou a atenção de Sayf Ibn Zî Yezen: Abdulmuttalib. Ele não conseguia se aliviar sem falar, então se aproximou dele e perguntou quem ele era. Depois, ele começou a contar, um por um, o que sabia sobre o Último Mensageiro de Allah, por quem ele estava esperando. É claro que o que ele contou continha muitas boas novas para esse abençoado avô. Ver. Ibn Kathir, al-Bidâye ve'n-Nihâye, 2: 328

(2) Taberî, História, 1/426

(3) Taberî, História, 1/427-428

(4) Taberî, História, 1:427-429

(5) Suheylî, Ravdu’l-Unf, 1/72

(6) Este homem é conhecido como Abdullah Ibn al-Samir. Ver. Ibn Hisham, Sira, 1/149



3 visualizações