Seu Objetivo: Ganhar Todos Os Corações

Embora a verdade fosse clara como luz do dia, o Mensageiro de Allah (que a paz esteja com ele ﷺ) ficava muito triste com as reações das pessoas tentando impedi-lo de predicar sua causa. Sentia muito a pena daquelas pessoas que estavam se direcionando ao inferno e conduziam as grandes massas na mesma direção com eles. Portanto O Mensageiro de Allah (ﷺ) aproveitava todas as oportunidades para poder segurar pelas mãos delas e trazê-las para costa segura (A fé). Ele queria alcançar e salvar todas as pessoas conversando e convidando. Não queria deixar ninguém para trás.


Especialmente a partir do quarto ano da missão profética, quando apelo ao Islam começou a se realizar abertamente, seus esforços de convidar pessoas ao Islam ganharam uma velocidade. Profeta Muhammad (que a paz esteja com ele) encontrava todos que vinham a Meca. Ele sentava-se e conversava com eles e os convidava a acreditar na mensagem trazida por ele. Por esta razão, o Profeta praticamente se estabeleceu nas feiras de Majanna, Okaz e Zul-Majaz com o objetivo de encontrar os peregrinos que vinham a Meca para fazer Hajj ou Umrah. Ele estava convidando todas as pessoas que tenha contato e apelava elas à verdade. Ele queria salvar aquelas vítimas no caminho do Inferno acreditando em ídolos, que pareciam com as borboletas correndo para o fogo. Ele tinha apenas um objetivo; Todo servo que respira, deve conhecer seu Senhor e, finalmente, todo servo possa abrir as portas da salvação eterna com a misericórdia de Allah (Deus)!


Era óbvio que, para os habitantes de Meca da época, que não tinham preocupações além das suas próprias prosperidades, esse era um objetivo incompreensível. Portanto eles imediatamente agiram para impedir esse trabalho. Abu Jahl e Abu Lahab apareceram como os atores principais da oposição. Eles perseguiam o Profeta e não queriam permitir que nem uma única pessoa se beneficiasse do Mensageiro de Allah. Especialmente quem influenciava as feiras mencionadas naquela época foi Abu Lahab, o tio de nosso Profeta. Embora Abu Jahl nunca estivesse à vista, Abu Lahab já estava empenhado em concluir este trabalho. Então, ele estava perseguindo seu sobrinho passo a passo em seu camelo vermelho. Talvez, Abu Jahl estivesse colocando Abu Lahab em primeiro plano com base nisso porque ele era seu próprio tio. E assim queria gerar a percepção de que, "Quão confiável alguém que age contra até seu próprio tio?"

Eles conversavam com todas as pessoas com quem Ele (que a paz esteja com ele) tinha conversado e diziam que nosso Profeta estava contando mentiras. Eles queriam criar uma imagem sobre ele. Chamavam ele um “sabeu” [1] que dava notícias olhando para as estrelas. Embora eles aceitassem o poder em suas palavras, eles tentavam explicar esse poder como magia.


Eles já sabiam que nenhuma das imagens negativas que estavam tentando criar funcionária. Mas as pessoas como Abu Jahl não davam importância à veracidade. Eles estavam construindo um muro ao redor do Mensageiro de Allah com informações falsas e distorcidas e tentavam não permitir que ninguém passasse para lado do Profeta.


Um comerciante do clã Kinane narra para nós um incidente semelhante que viveu naqueles dias:

"O Mensageiro de Allah estava na feira de Zul Majaz. Vi ele apelando as pessoas dizendo: ‘Ó Humanos! Digam "La ilaha illallah! (Não outra divindade além de Allah)!" encontrem a salvação! " Bem atrás dele estava Abu Jahl que o seguia passo a passo, e lançando poeira e terra sobre ele. Ele gritava com suas divagações: "Ó Humanos! Não deixe este homem enganar vocês sobre religião de vocês! Porque Ele quer que vocês abandonem a adoração ao Lat e Uzza! ". Assim tentava assustar as pessoas. O Mensageiro de Allah (que a paz esteja com ele) nunca dava importância a ele, tentava se livrar dele e procedia com dignidade. "[2]

Na atmosfera moderada das feiras, O Mensageiro de Deus suportava todos os tipos de problemas que possam vir dos outros com a esperança de encontrar um rosto familiarizado com as verdades da fé. Ele não guardava rancor e ódio dos outros e sempre fazia o que lhe convinha. Ao explicar sobre as dificuldades que ele enfrentava para entrar em mais um coração, um comerciante da tribo Amirî nos dá o seguinte detalhe:


"Durante a época de Jahiliyya [3], um dia eu tinha visto Mensageiro de Allah dizendo: 'Ó Humanos!: "Digam:" La ilaha illallah (Não outra divindade além de Allah)!" "e encontrem a salvação!" Alguns dos que o cercavam para impedi-lo, perseguiam ele, cuspiam em Seu Rosto abençoado, alguns deles lançavam poeira e terra sobre ele. Enquanto isso, alguns deles o insultavam com palavrões pesadas.


Isto continuava assim, ao chegar ao meio-dia, uma menina apareceu com um pouco de água. O Mensageiro de Allah (que a paz esteja com ele) pegou a água e depois de lavar o rosto ele se virou para a garota e disse: "Minha filha! Não se preocupe com seu pai; Ninguém pode vencê-lo e humilhá-lo! "


Eu perguntei aos que me acompanhavam sobre a identidade da menina. Disseram: "Zaynab, é a filha do Mensageiro de Allah!". Naquela época, ela era uma garotinha de rosto brilhante que estava prestes a entrar na adolescência.” [4]


Naqueles dias, ir de porta a porta e dizer: “Ó humanos, digam "La ilaha illallah (Não outra divindade além de Allah)!" " e sejam salvos! "[5] tinha se tornado a atitude e a postura básica do Mensageiro de Allah (que a paz esteja com ele). Ele chamava as pessoas à verdade da “unicidade” à qual ninguém se oponha, destacando pontos comuns que todos podem aceitar neste convite. [6]


Na verdade, Ele (que a paz esteja com ele) ainda teria cumprido seu dever somente dissesse: “Ó Humanos! Deus existe! Existe uma vida após a morte! Há um livro de registro e vocês vão dar conta da vida que vocês vivem! " Porque, ao descrever a posição Dele, o Alcorão afirmou que o dever do Profeta era apenas apelar e convidar, [7] e que ele não tinha a missão de forçar ninguém a aceitá-lo. [8]


Apesar disso, ele (que a paz esteja com ele) fazia um esforço "além do dever", a fim de salvar a vida até daqueles que tentaram acabar com sua vida para poder iluminar os mundos sombrios daqueles que morreriam com a extinção eterna. Perante isso novamente, o Alcorão expressa este esforço definindo a como “a ponto de se mortificar”. [9]


Notas de Rodapé


[1] "Sabeu" é uma palavra derivada da raiz, significa uma pessoa que saiu de uma religião e se converteu em outra. Como termo, "sabeu" é uma palavra usada para designar pessoas que adoram anjos ou estrelas. Embora eles acreditem no único Criador do mundo, eles afirmam que o governo do mundo e das pessoas são deixados para os corpos celestiais. Em um versículo, o Alcorão menciona isso junto com os crentes. (Ver Surata Al-Bácara 2/62) Profeta Abraão (alaihissalam) foi enviado para guiá-los. (Ver. Sura Al-An'am, 75) A crença no horóscopo e o refúgio no poder das estrelas permanecem até hoje. (Ver Suat Yildirim, Surat Al-Bácara, o significado do versículo 2/62.) Ao usar esta expressão sobre o Mensageiro de Allah, o povo de Meca definitivamente queria quebrar a influência do Mensageiro de Allah sobre o povo e tentava acabar com sua reputação.


[2] Ahmad Ibn-i Hanbal, Al Musnad 27/148 (16603); Salihi, Subulul Huda 2/452


[3] Com essa expressão, o narrador usa esse termo (Jahiliyyah) para ele mesmo, Pois provavelmente ele ainda vivia os dias de Jahiliyyah (que ele não era muçulmano), também é claro que ele se referia aos primeiros anos do Islam.

[4] Bukhari, História 8/14; Taberani Al-Mu'jam al-Kabir 20/342 (805)


[5] Ahmed Ibn-i Hanbal, Al-Musnad 31/342 (19004); Hakim, Al Mustadrak 1/61 (39); 2/668 (4219); Sunan al-Daraqutni 3/462 (2976); Al-Bayhaqî, As-Sunan al-Kubra 1/123 (358); 6/34 (11096); Taberani Al-Mu'jam al-Kabir 5/61 (4582); 8/314 (8175); 20/343 (806); Ibn Abi Shaybah, Al Musnad 2/322 (822); Musannaf 7/332 (36565); Ibn-i Khuzaymah, Sahih 1/82 (159); Ibn-i Hibban, Sahîh 14/517 (6562)


[6] Vemos uma situação semelhante ao convidar a seu tio Abu Talib no leito da morte; Em um momento em que o povo de Meca também estava pressionando-o, o Mensageiro de Allah (Que paz esteja com ele) disse a Ebu Talib: "Ó meu tio! Venha, diga 'La ilaha illallah' para que eu possa testemunhar(interceder) por você perante Allah!" Ver, Bukhári, Sepultamento 80 (1360); Muslim, A Fé 9 (24); Ahmed Ibn Hanbal, Musnad 39/78 (23674)


[7] Ver. Surata An-Nur 24/54; Surata Ar-Ra’d 13/40; Surata Al-Ghaxia 88/21


[8] Ver Surata Al-Ghaxia 88/22


[9] Ver. Surata Al Kahf 18/6; Surata Ach-Chu’ará 26/3


2 visualizações